quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

HISTÓRIA

Tudo começou no dia 11 de novembro de 2008, quando a turma do 5º período do Curso de Licenciatura Plena em Geografia do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN), saia para uma aula de campo da disciplina Geografia Agrária ministrada pela profª. Núbelia Moreira no município de Goianinha, onde tivemos a oportunidade na época de conhecer a planta industrial da Usina Estivas S/A.

Até então pensávamos que seria mais uma palestra dos produtos daquela usina, como também, apresentações dos seus relatórios de produção anual e de responsabilidade social. E assim, nossas expectativas foram confirmadas pelos discursos dos funcionários.

Na segunda parte do dia, fizemos um deslocamento até a comunidade do Catu - localizada entre os municípios de Goianinha e Canguaretama - aonde chegando lá iríamos fazer alguns levantamentos de dados a respeito da comunidade para produção de artigos científicos nas disciplinas do 5º período.

Ao chegarmos lá, fomos logo surpreendidos com uma calorosa recepção, embaladas por cantigas indígenas acompanhadas ritmamente por chocalhos.

O nosso anfitrião - Luis Catú - falou sobre a luta que a comunidade enfrenta para obter o reconhecimento como uma das, ou se não, a única reminiscência indígena do estado do Rio Grande do Norte. Dentre as atividades de divulgação deste movimento, além da comercialização de produtos artesanais feitos por eles mesmos, esta a Trilha Ecológica do Catu, inserida na área de proteção ambiental Piquiri Una, local rico em vegetação de Mata Atlântica.

Após a turma se deliciar com um típico almoço a moda indígena, com produtos orgânicos cultivados na própria comunidade, formos convidados a realizar a trilha, que misturava aspectos rurais destacando-se as lavouras dos moradores, como também na área de Mata Atlântica da APA. O passeio foi repleto de lendas indígenas locais por todo o percurso, bem como de uma paisagem paradisíaca temperada pelo caminho repleto de dificuldades que deram um ar de aventura por todo o itinerário.

A cada obstáculo ultrapassado, a cada tombo acontecido, a cada nova descoberta proporcionada durante o passeio, a idéia de montar um grupo que reuni se todos os amigos para prática de trilhas aflorava em minha cabeça. Era notável no sorriso estampado nos rostos de meus companheiros de turma (onde antes estava refletido o cansaço de um dia inteiro de viagem) que isso se tornaria de certa forma uma dependência difícil de ser controlada para todos. Foi com esse pensamento que voltamos para Natal.

O sonho se torna realidade na manhã do sábado do dia 31 de janeiro de 2009, quando após o final do 5º período do curso um grupo de nove alunos compostos por Ademilde Alencar, Ângelo Roncalle, Dalyson Luís, Davi Lima, Eline Soares, Erdevaldo de Oliveira, Gilberto Olímpio, Lázaro Freire, Raphael Negreiros, e mais duas convidadas, Adriana e Elisabete de Oliveira, realizaram oficialmente a nossa primeira trilha no Parque das Dunas de Natal (Trilha Ubaia Doce), no qual nos trouxe uma oportunidade ímpar de conhecer uma das maiores reservas de Mata Atlântica do Brasil, repleta de espécies de fauna e flora.

A partir de então o grupo ganha mais alguns componentes e pela primeira vez ultrapassa as divisas do Rio Grande do Norte, com destino ao estado da Paraíba com o intuito da realização da Trilha da Pedra da Boca, situada no parque estadual de mesmo nome na cidade de Araruna/PB, onde lá conhecermos uma das muitas pessoas colaboradoras das cidades por onde passamos. Trata-se do ilustre Seu Tico, em que ficou conhecido por nós, até os dias de hoje como "O cara".

Daí por diante não paramos mais com as viagens por outras regiões do Rio Grande do Norte e Paraíba, ficando aquele gostinho de querer mais e mais.
É com essa "dependência" por trilhas e aventuras, além do consentimento de preservação da natureza, é que o grupo GEOTRILHAS vem crescendo a cada nova expedição, criando entre seus componentes e colaboradores das cidades visitadas, um circulo de amizades.

GEOTRILHAS
“Geoturismo com sustentabilidade e amor a natureza."

FORMAS DE TURISMO REALIZADOS PELO GEOTRILHAS

O Geotrilhas é um grupo formado por amigos que tem por característica o ecletismo de todos os seus membros das mais variadas classes e profissões, que possuem como objetivos vislumbrar a natureza, conhecer a história, a cultura e os costumes locais, fazer interelações entre os conceitos da Geografia com o espaço visitado e estimular o desenvolvimento sustentável por meio do turismo aos municípios visitados. Desenvolvemos os seguintes tipos de turismo:

1. Geoturismo - Tipo de atividade turística que inclui a apreciação das feições geológicas espaciais, mas que, além disso, são complementadas pelo conhecimento sobre a sua história, suas características, sua conservação e seu bom uso;
2. Turismo de Aventura - Compreende o movimento de turistas cujo atrativo principal é a prática de atividades de aventura de caráter recreativo. Podendo ocorrer em qualquer espaço: natural, construído, rural, urbano, estabelecido como área protegida ou não;
3. Turismo Ecológico - É uma forma de turismo voltada para a apreciação de ecossistemas em seu estado natural, com sua vida selvagem e sua população nativa intactos;
4. Turismo Histórico-Cultural - Modalidade de turismo cuja motivação do deslocamento se dá com o objetivo de encontros artísticos, científicos, de formação e de informação. Caracteriza-se por uma permanência prolongada e um contato mais “intimo” com a comunidade, ocorrendo viagens menores e suplementares dentro da mesma localidade com o intuito de aprofundar-se na experiência cultural;
5. Turismo Rural - Atividade desenvolvida no campo, comprometida com a atividade produtiva, agregando valor a produtos e serviços e resgatando o patrimônio natural e cultural da comunidade.

Se você gosta de algum desses tipos de turismo, venha participar juntamente conosco neste ato de amor e respeito à natureza.

TRILHA DO CASTELO LABIRINTO DE ZÉ DOS MONTES - SÍTIO NOVO/RN


Localizada na microrregião da Borborema Potiguar, a cidade de Sítio Novo apresenta um roteiro turístico bastante interessante, principalmente pelo misterioso Castelo Labirinto de Zé dos Montes, encravado em plena Serra da Tapuia. O castelo chama atenção por suas inúmeras torres brancas contrastando com o cinza dos serrotes do lugar. A construção se deu a partir de uma visão, que o então menino Zé dos Montes teve da Virgem Maria, que então decidiu construir o castelo em sua homenagem. Daí por diante, o castelo, com suas lendas é ponto obrigatório de visitação a todos aqueles que passam pelo município de Sítio Novo.

GEOTRILHAS EM SÍTIO NOVO



A viagem com destino a Sitio Novo ocorreu no último dia 28 de novembro de 2009, e contou com a participação de doze associados, dentre os quais alunos e servidores do IFRN, e convidados, acompanhado por suas famílias. O ponto de partida ocorreu de fronte ao IFRN EM Natal/RN, onde foi esclarecidos as primeiras informações com respeito ao nosso destino. Em seguida, os três veículos partiram em direção a cidade de Tangará, local de nossa parada para reabastecer nossas forças.

A viajem se deu pela BR-304, até a rotatória onde pegamos nosso destino a cidade de Tangará/RN. Após isso, continuamos, e em direção a sudoeste ma BR-226 e pegamos a primeira à direita na RN-093, onde seguimos por 18 km até a cidade de Sitio Novo.

Chegando ao local, tratamos logo de fazer contato com o Guia, que para nossa supressa teve que se ausentar da cidade para resolver problemas de cunha pessoal. Nos restou decidir o que seria ser feito para que nossa trilha não desse errado. Decidimos então, procurar a trilha do Castelo do Sr. Zé do monte por nossa conta e risco. E após o almoço, seguir viajem para a cidade de Passa e fica, para realizamos uma trilha na Pedra da Boca. Pegamos informações com respeito a como chegar ao castelo e seguimos viajem em busca dele. Seguirmos por uma estradinha que deu em uma barragem onde foi preciso atravessá-la por cima.

Após essa primeira dificuldade, descobrimos uma maior ainda. Subir a serra, uma serra super íngreme, onde foi preciso subir na primeira macha do carro, a ponto do pneu do carro derrapar. Pois bem, após esse desafio, pedimos mais algumas informações a populares que encontrávamos no caminho. Chegamos ao Castelo, onde encontramos a porteira fechada. Ângelo, encarregado da trilha, precisou passar por entre a cerca para encontrar alguém que pudesse abrir a tal porteira. Ele seguiu até a uma casa construída em cima de uma alta rocha, onde descobrimos, ser a morado do Sr. Zé do Monte. Senhor, simpático e desconfiado. Ele nos deus a primeiras informações com respeito ao local. E logo depois, tiramos a primeira foto do grupo em frente ao castelo. Seguimos para desvendar os mistério do castelo. Iríamos assoalhar sozinho, pois o velho senhor Zé do monte não tinha mas condições de nos guiar por entre as paredes do velhos castelo, por ele construído.

Mas para nossa supressa, seu filho acabara de chegar da cidade e nos prontificou a ser nosso guia. Adentramos por entres uma escadarias onde nos levou até o salão principal. Logo em frente foi nos apresentado a velha capela, onde o castelo foi construído em volta. Em seguida, seguimos pelo corredor do lado esquerdo da capela onde foi nos mostrado várias salas e ante-salas do castelo. Pegamos mas algumas escadarias, que nos levava cada vez mais para os andares superiores. Subimos em direção a torre principal, onde foi nos mostrado toda a beleza da caatinga do local.
Após a visita ao castelo, descemos novamente a serra e seguimos em direção a cidade para almoçarmos. Logo após, viajamos para a cidade de Passa e Fica, divisa entre o RN e a PB. Local mais próximo a Boca da Pedra.

Chegando lá, não encontramos o Sr. Tico, guia local e já conhecido do geotrilhas. Pedimos para o seu filho ligar para ele, e ver se seria possível eles nos guiar. Na mesma hora ele ligou e deixou claro a vontade do Sr Tico de nos levar. No mesmo instante ele deu meia volta de onde ele estava e voltou para seu sitio.

Nesse meio tempo algumas pessoas resolveram realizar um rappel em um paredão de 60m. Rappel esse que ficou acertado para o final da trilha, quando estivéssemos descendo. Em pouco tempo estávamos seguindo na famosa trilha da Boca de Pedra. Como sempre seu Tico foi super simpático e agradável com todos nos. Dava informações sobre a fauna e flora local. E ajudava os que precisavam na dura subida da Pedra. Já próximo a Boca, foi preciso realizar por todos, um pequeno rappel. Pois esse, era a única maneira possível de adentrar na Boca. Chegando ao destino final, ficamos deslumbrado com tanta beleza. O local parecia mais um território de outro planeta. Imagens pode comprovar tal mágica era a Boca da Pedra.

Descendo, algumas pessoas tomaram destino em direção a casa principal de seu Tico, outros cinco, ficaram para descer de Rappel, foram eles, Ângelo, Luara, Barão Suzana, e Halysson. Todos que desceram adoraram tal aventura. E disseram que fora muito gratificante e mágico. Logo após isso, nos reunimos e nos despedimos do seu Tico. E nos prontificamos em voltar mais vezes para realizar as outras trilhas do local. Em Seguida seguimos uma tranqüila viajem de volta a Cidade de Natal.


Raio-X

Nível de Dificuldade – Baixa
Localização do castelo – Bom
Disponibilidade de Socorro Médico – Bom
Apoio Logístico - Bom

Recomendações necessárias para trilhar

- Usar roupas leves, confortáveis e fechadas;
- Levar cantil com bastante água;
- Utilizar chapéu ou boné para se proteger do sol;
- Não colher flores, frutas, sementes, ramos, mudas, lenha ou troncos;
- Não escrever, desenhar ou danificar as árvores do Parque;
- Evita incêndios, apagando cigarros e charutos antes de descartá-los;
- Guadar seu lixo e obedecer às instruções do guia.

Onde comer
Bar e Restaurante da Adélia
Fone: 84 3252-0071

Contatos para realização de trilha
Secretário de Turismo de Sítio Novo/RN - Wagner Brasil
Fone: 084 3252-4061

Video da Trilha

GEOTRILHAS É PRESENÇA GARANTIDA NA COMITIVA DO IFRN, PARA O FÓRUM MUNDIAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA EM BRASÍLIA



Os integrantes do grupo participaram de diversas atividades, com o objetivo de adquirirem novos conecimentos para integrar ao projeto "Trilhas para o desenvolvimento."

Foi realizado em Brasília, entre os dias 23 a 27 de novembro, o Fórum Internacional de Educação Profissional e Tecnológica, um evento que reuniu no Centro de Convenções Ulisses Guimarães, todos os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia do Brasil, além de outras entidades de ensino para socializarem os estudos e pesquisas desenvolvidos nos últimos anos nas instituições.

O IFRN marcou presença com representantes dos seu onze campus espalhados pelo Rio Grande do Norte, dentre os quais o Campus Central que teve em sua delegação, três representantes do Grupo GEOTRILHAS, sendo eles Fábio, Lázaro e Maria Soares, os quais participaram ativamente de várias palestras, oficinas, minicursos e conferencias com assuntos ligados a desenvolvimento social e econômico, turismo ecológico e sustentabilidade, conhecimentos estes de sua importância para consolidação das diretrizes do projeto “TRILHAS PARA O DESENVOLVIMENTO”.

O projeto que conta com a parceria entre o GEOTRILHAS, 64º GEMAN (Grupo Escoteiro Artífice Náutico de Natal), IFRN, além de prefeituras e outras entidades interessadas em desenvolver econômico e socialmente os pequenos municípios do Rio Grande do Norte e Paraíba por meio do turismo sustentável, levando em consideração ações de preservação ambiental, histórica e cultural destas localidades.

Ainda durante a estadia na capital federal, os membros do grupo GEOTRILHAS tiveram a oportunidade de fazerem uma visita ao Congresso Nacional, onde no Senado o grupo presenteou com uma camisa oficial do GEOTRILHAS o senador pelo Distrito Federal Cristovão Buarque, o qual posou com o presente para fotos.

GEOTRILHAS APOIA GEMAN EM ACAMPAMENTO



A participação do GEOTRILHAS contou com aulas de Cartografia e Radiocomunicação, oficinas ambientais e trilha ecológica.


Foi realizado no último final de semana do mês de outubro, no rancho Boca da Mata, localizado no município de Ceará-mirim/RN, o acampamento anual do 64º GEMAN (Grupo Escoteiro do Mar Artífice Náutico), onde contou com a participação de um grupo escoteiro da cidade de Galinhos/RN, totalizando cerca de cinqüenta crianças, jovens e adultos, nas categorias lobinho, escoteiro, sênio e pioneiro.

O GEOTRILHAS participou do acampamento como parceiro do GEMAN, promovendo uma oficina de fabricação de sabão ecológico, ministrada por Ângelo Roncalle, e as especialidades de Cartografia e Radiocomunicação realizadas por Erdevaldo Oliveira e Lázaro Freire.

Além das atividades educativas, também foi realizada uma trilha ecológica dentro da propriedade, conhecida como Trilha dos Escravos, e também, o grupo auxiliou os escotistas durante o jogo noturno, uma tradição escoteira, e durante o 52º Jamboree no Ar, evento de radiocomunicação anual dos escoteiros.

Durante os dois dias de evento, foram postos em prática todos os conhecimentos adquiridos durante as especialidades, tendo como destaque o Jamboree, em que o GEMAN obteve o 2º lugar a nível estadual, e a posição de número 50 entre 96 participantes em todo o Brasil.

Ainda durante o acampamento, o GEOTRILHAS fez a entrega da camisa oficial do grupo a chefe e presidente administrativa do GEMAN, Maria Soares, em comemoração do sucesso da parceria.