quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

HISTÓRIA

Tudo começou no dia 11 de novembro de 2008, quando a turma do 5º período do Curso de Licenciatura Plena em Geografia do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN), saia para uma aula de campo da disciplina Geografia Agrária ministrada pela profª. Núbelia Moreira no município de Goianinha, onde tivemos a oportunidade na época de conhecer a planta industrial da Usina Estivas S/A.

Até então pensávamos que seria mais uma palestra dos produtos daquela usina, como também, apresentações dos seus relatórios de produção anual e de responsabilidade social. E assim, nossas expectativas foram confirmadas pelos discursos dos funcionários.

Na segunda parte do dia, fizemos um deslocamento até a comunidade do Catu - localizada entre os municípios de Goianinha e Canguaretama - aonde chegando lá iríamos fazer alguns levantamentos de dados a respeito da comunidade para produção de artigos científicos nas disciplinas do 5º período.

Ao chegarmos lá, fomos logo surpreendidos com uma calorosa recepção, embaladas por cantigas indígenas acompanhadas ritmamente por chocalhos.

O nosso anfitrião - Luis Catú - falou sobre a luta que a comunidade enfrenta para obter o reconhecimento como uma das, ou se não, a única reminiscência indígena do estado do Rio Grande do Norte. Dentre as atividades de divulgação deste movimento, além da comercialização de produtos artesanais feitos por eles mesmos, esta a Trilha Ecológica do Catu, inserida na área de proteção ambiental Piquiri Una, local rico em vegetação de Mata Atlântica.

Após a turma se deliciar com um típico almoço a moda indígena, com produtos orgânicos cultivados na própria comunidade, formos convidados a realizar a trilha, que misturava aspectos rurais destacando-se as lavouras dos moradores, como também na área de Mata Atlântica da APA. O passeio foi repleto de lendas indígenas locais por todo o percurso, bem como de uma paisagem paradisíaca temperada pelo caminho repleto de dificuldades que deram um ar de aventura por todo o itinerário.

A cada obstáculo ultrapassado, a cada tombo acontecido, a cada nova descoberta proporcionada durante o passeio, a idéia de montar um grupo que reuni se todos os amigos para prática de trilhas aflorava em minha cabeça. Era notável no sorriso estampado nos rostos de meus companheiros de turma (onde antes estava refletido o cansaço de um dia inteiro de viagem) que isso se tornaria de certa forma uma dependência difícil de ser controlada para todos. Foi com esse pensamento que voltamos para Natal.

O sonho se torna realidade na manhã do sábado do dia 31 de janeiro de 2009, quando após o final do 5º período do curso um grupo de nove alunos compostos por Ademilde Alencar, Ângelo Roncalle, Dalyson Luís, Davi Lima, Eline Soares, Erdevaldo de Oliveira, Gilberto Olímpio, Lázaro Freire, Raphael Negreiros, e mais duas convidadas, Adriana e Elisabete de Oliveira, realizaram oficialmente a nossa primeira trilha no Parque das Dunas de Natal (Trilha Ubaia Doce), no qual nos trouxe uma oportunidade ímpar de conhecer uma das maiores reservas de Mata Atlântica do Brasil, repleta de espécies de fauna e flora.

A partir de então o grupo ganha mais alguns componentes e pela primeira vez ultrapassa as divisas do Rio Grande do Norte, com destino ao estado da Paraíba com o intuito da realização da Trilha da Pedra da Boca, situada no parque estadual de mesmo nome na cidade de Araruna/PB, onde lá conhecermos uma das muitas pessoas colaboradoras das cidades por onde passamos. Trata-se do ilustre Seu Tico, em que ficou conhecido por nós, até os dias de hoje como "O cara".

Daí por diante não paramos mais com as viagens por outras regiões do Rio Grande do Norte e Paraíba, ficando aquele gostinho de querer mais e mais.
É com essa "dependência" por trilhas e aventuras, além do consentimento de preservação da natureza, é que o grupo GEOTRILHAS vem crescendo a cada nova expedição, criando entre seus componentes e colaboradores das cidades visitadas, um circulo de amizades.

GEOTRILHAS
“Geoturismo com sustentabilidade e amor a natureza."

Nenhum comentário:

Postar um comentário