terça-feira, 16 de abril de 2013

CIRCUITO DAS GRUTAS DA BAIXA-VERDE – Jandaira/RN



Por Daniel Câmara

No dia 31 de Março de 2013 o Grupo Geotrilhas/RN partiu do Campus Central do IFRN, localizado na Av. Salgado Filho (Natal/RN), às 07:30h com destino final ao Município de Jandaíra/RN.

Fundada em 1963 e localizada a 123 km da capital Potiguar, Jandaíra/RN fica situada na Microrregião da Baixa-Verde (Agreste Potiguar). O seu clima é do tipo semi-árido quente, por isso o risco de desidratação durante a prática é evidente.

Ao chegarmos ao Município de Jandaíra, logo entramos em contato com o responsável pelo grupo Cavernature (Jean Pierre). Ao conversarmos sobre o que iríamos fazer durante todo o dia, ele nos orientou realizar a ação solidária na região antes da prática.

Em se tratando de Domingo de Páscoa realizamos junto com as crianças da comunidade carente, a distribuição de chocolates, alegria e carinho. Nada como visualizar num sorriso a expressão sincera de gratidão.

Tendo esta etapa completada partimos para o ponto inicial. Lá nos foi passado pelo Grupo Cavernature e pelo integrante do Grupo Geotrilhas (Daniel Câmara) informações importantes sobre o que poderíamos encontrar durante o percurso das grutas e cavernas.

Desvendar a cada passo, salões e galerias onde jamais outro homem penetrou, descobrir fantásticas formações minerais e estranhas formas de vida é sem dúvida uma das mais excitantes aventuras que a natureza ainda nos reserva.

Explorar uma caverna é isto; buscar entendê-la enquanto manifestação de inúmeras forças naturais, o que exige acurada observação, tecnologia adequada e senso de equipe.

No caminho da exploração, inúmeros perigos e obstáculos físicos se opõem ao avanço do explorador. O ambiente pode lhe ser hostil pela ausência de luz, pelo frio, pela umidade e o caminhamento dificultado por grandes distâncias e desníveis, por pisos irregulares e escorregadios, por estreitamento e "tetos baixos". Da mesma forma, rios lagos e cachoeiras ou ainda trechos desmoronados, sanfonados e inundações podem não apenas dificultar a penetração, mas até torná-la impossível.

Cuidados em cavernas e dicas importantes.

Para sua segurança e para a preservação das cavernas, são necessários alguns cuidados fundamentais durante a visitação:
  • Fique atento para não pisar em espeleotemas, quebrá-los ou esfumaçá-los com o capacete.
  • Não retire ou quebre nada nas cavernas, tomando cuidado especial com as formações.
  • Não use bebida alcoólica no interior da caverna.
  • Não fume no interior da caverna, pois a fumaça é prejudicial a este delicado ambiente.
  • Respeite a fauna cavernícola, apenas observando-a.
  • Nunca entre em cavernas desacompanhado, procure sempre a ajuda de um guia ou pessoa experiente.
  • Mantenha a caverna limpa. Traga de volta todo o seu lixo (orgânico ou inorgânico), apanhe também o lixo que encontrar pelo caminho e deposite-o nos latões no exterior das cavernas.
  • Conheça as técnicas básicas de navegação, primeiros socorros e alpinismo. As cavernas apresentam obstáculos naturais. Não se arrisque, assim como não exponha pessoas inexperientes e sem preparo físico a situações de risco.
  • Caso você se perca, não entre em pânico. Fique parado e aguarde auxílio. O resgate só será possível se você tiver informado seu roteiro ao guia de plantão, nos postos dos guias (quiosques e casas de guias) através da Ficha de Visitação. No caso de cavernas fora dos centros de visitação avise sempre alguém do local sobre seu destino.
  • Nunca esqueça as pilhas leve sempre a quantidade utilizada pela sua lanterna de reserva para substituição.
  • Mantenha suas mãos livres para facilitar a passagem em lugares difíceis.
  • Leve materiais e equipamentos de primeiros socorros.
Cuidados secundários - Morcegos

Raiva

  • As viagens de eco-turismo estão cada vez mais em alta. Regiões ricas em verde, matas, cachoeiras e cavernas atraem cada vez mais turistas em busca de espaço para praticar esportes radicais.
  • Mas nesse tipo de atividade é preciso tomar cuidado com algumas doenças, principalmente com a raiva, doença transmitida por morcegos, cães e gatos infectados.
  • O responsável pelo Grupo Técnico de Raiva do Ministério da Saúde, Marcelo Wada, ressalta as principais medidas que os turistas devem tomar para evitar a doença.
  • "O cuidado que o viajante deve ter são cuidados gerais. Nunca tocar em um animal desconhecido, encontrado no chão ou alimentar esses animais. Numa caverna, existem cuidados específicos.
  • Nem toda caverna é autorizada a entrada. Mas tem que ter alguns cuidados em não tocar nos morcegos, deixar eles lá bem quietinho no canto deles."
  • Marcelo Wada explica que, caso a pessoa seja mordida por um morcego, a primeira coisa a fazer é lavar a ferida com água e sabão.
  • "A medida para a prevenção, independentemente se é morcego ou outra espécie, é lavar com água e sabão. O sabão mata o vírus, que apresenta uma camada lipídica, gordura.
  • E o sabão quebra a gordura e pode matar o vírus no local do ferimento. Então, a primeira medida é lavar com água e sabão.
  • E correr pro posto de saúde para orientação do profissional – se precisa tomar ou não vacina e soro."
  • O responsável pelo Grupo Técnico de Raiva do Ministério da Saúde, Marcelo Wada, acrescenta que o vírus da Raiva pode ficar incubado por alguns dias e até mesmo anos, sem que se apresente qualquer sintoma.
  • Por isso, é tão importante procurar o posto de saúde mais próximo para receber o diagnóstico correto.

Equipamentos e vestuário individuais.

Em ambientes confinados, alguns equipamentos são indispensáveis para a realização da prática de espeleologia.

  • Macacão (se possuir).
  • Camisa de manga longa.
  • Calça que não atrapalhe a amplitude de movimento.
  • Leve roupas que os mantenham quente, seco e confortável;
  • O calçado deve ser leve, macio e com solado antiderrapante, em boas condições (bota ou tênis).
  • Luvas que não atrapalhem a sensibilidade dos dedos.
  • Capacete de proteção.
  • Lanterna de mão e/ou lanterna de cabeça.

Tendo isto em vista seguimos mais confiantes e preparados para termos os primeiros contatos com as grutas. Lá nos deparamos com inusitadas formações, onde o nível de dificuldade e o desgaste foi reduzido união do grupo. Atividades como descidas e escaladas em mão livre, técnicas de rapel, técnicas de rastejo foram muito importantes para a aquisição do êxito. Durante toda a exploração o fator da desidratação e desgaste foram bastante expressivos. Aconselham-se para este tipo de atividade levar pelo menos 3 litros de água, frutas como laranja e tangirina, rapadura, isotônico, barra de cereal.
O risco de acidente durante a prática é eminente, portanto seguir todas as orientações e respeitar os seus limites e o ambiente em questão, são fundamentais para uma boa prática. Ao todo, foram exploradas dentre grutas e cavernas, 06 no total. São elas pela sequência: Kanyon, Apertar da Hora, Abrigo da Catingueira, Argh, Gruta dos 2 Juazeiros e Gruta da Pedra Voadora. O bom que ao passar por cada caverna/gruta, encontramos belezas, galerias, cores, formações, luminosidades e profundidades distintas.
Em fim, terminamos nossas atividades ao final do dia sem lesões durante toda a prática e com um espírito filtrado por bons momentos e experiências distintas, onde só se podem sentir, ao passar por uma prática como essa.


Raio-X

Nível de Dificuldade – Alto
Localização da Trilha – Bom
Disponibilidade de Socorro Médico – Bom
Apoio Logístico - Bom

Recomendações necessárias para trilhar
- Usar roupas fechadas;
- Utilizar capacete;
- Utilizar bastante protetor solar;
- Levar cantil com bastante água;
- Levar repelente contra insetos;
- Utilizar lanterna;
- Não escrever, desenhar ou danificar as grutas;
- Evita incêndios, apagando cigarros e charutos antes de descartá-los;
- Guadar seu lixo e obedecer às instruções do condutor.

Contatos para realização de trilha
Jan Pierre
Fone: (84) 8781-5383 / 8896-5579


Um comentário: