domingo, 1 de dezembro de 2013

DEPÓSITO DE CARVÃO É RECUPERADO E TRANSFORMADO EM PARQUE NO SUL DE SC

Lago foi construído no local (Foto: Plínio Bordim)

O espaço do Parque Ambiental da Usina Jorge Lacerda em Capivari de Baixo, no Sul de Santa Catarina, era utilizado como depósito de carvão mineral da usina. 

Estima-se que cerca de 4,5 milhões de toneladas de carvão estavam no local.

Nos últimos cinco anos foram recuperados cerca de 50 hectares, sendo 15 de mata nativa. Também foram plantadas 20 mil mudas de árvores. "Fizemos medições inclusive no lençol freático e percebemos que a recuperação foi fantástica", explica o gerente de meio ambiente da Tractebel, Alexandre de Souza Thiele. 

Além da recuperação ambiental, o objetivo do parque, inaugurado no dia 18 de outubro, é ser um local para lazer com acesso gratuito para a população. 

Foram construídos um teatro para 380 pessoas, um lago com 14 mil metros quadrados, uma pista de ciclismo e uma de caminhada. "O objetivo é que o espaço do teatro possa ser incluído no roteiro das peças de teatro e crie a cultura para que as pessoas frequentem o local. 

Queremos divulgar talentos regionais, promover oficinas de artes, de teatro e de música", explica o coordenador. 

O projeto foi planejado durante 14 meses. "O maior desafio foi atender as necessidades da Tractebel, que valoriza os conceitos de sustentabilidade tão exigidos pela sociedade hoje em dia", afirma o professor Rodrigo Althoff Medeiros. 

Além disso, o parque conta com um projeto de sustentabilidade. A equipe buscou mecanismos sustentáveis, como a captação da água da chuva nos principais prédios do parque e aquecimento solar. 

O local conta com tratamento do esgoto, que utiliza zona de raízes, em que a vegetação absorve o material orgânico e torna a água potável novamente. 

Foram utilizadas cinzas descartadas pelas usinas para a confecção da pista de caminhadas e ciclovia, misturadas com cimento, e também na construção dos prédios, substituindo parte do cimento convencional na composição dos blocos de concreto.

Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário