segunda-feira, 9 de maio de 2011

CINE CLUBE KUPAIWA DE BANANEIRAS/PB APRESENTA O PRIMEIRO FILME DA SAGA CREPÚSCULO

Crepúsculo se tornou um dos maiores fenômenos do cinema mundial
A Associação de Jovens da Arte e Cultura do município de Bananeiras/PB (AJAC), convida a todos os moradores e visitantes da cidade, para se fazerem presentes neste próximo sábado dia 14 de maio para mais uma exibição de um filme no Cineclube Kupaiwana, localizado no Espaço Cultural Prof. Oscar de Castro (ambiente de mais de 1.700 metros quadrados de área construída, com teatro, salão de eventos, biblioteca, oficinas de artesanato galeria de artes).

O filme em cartaz desta semana, será o sucesso internacional Crepúsculo, baseado no livro de mesmo nome, da autora Stephenie Meye. Vencedor de diversos prêmios, incluindo o "Top 10 Livros para Jovens Adultos" da American Library Association,entrar na lista de Best sellers do New York Times e Best selling de 2008, no USA Today.

SINOPSE

Isabella Swan vai morar com seu pai em uma nova cidade, depois que sua mãe decide casar-se novamente. No colégio, ela fica fascinada por Edward Cullen, um garoto que esconde um segredo obscuro, conhecido apenas por sua famí­lia. Eles se apaixonam, mas Edward sabe que quanto mais avançam no relacionamento, mais ele está colocando Bella e aqueles í  sua volta em perigo. Quando ela descobre que Edward é, na verdade, um vampiro, ela age contra todas as expectativas e não tem medo da sede de sangue de seu grande amor, mesmo sabendo que ele pode matá-la a qualquer momento.

TRAILLER

CRÍTICA DO FILME

As coisas mudam. Os políticos trocam, as músicas trocam, as roupas trocam, mas algumas coisas serão sempre as mesmas. Em uma época infanto-juvenil foi legal para uma geração crescer sob a luz de J.K. Rowling e a passagem mágica da infância para a pré-adolescência. Agora chega uma nova fase com uma nova franquia da adolescência para a fase adulta. Apesar de não ter lido o livro – o que fará dessa crítica muito mais pobre e talvez parcial por demais – tive uma doce e favorável impressão de que surge uma nova fase de filmes que vai engolir a franquia Harry Potter por inteiro. As comparações são inevitáves, mas ambos são sigulares nas suas formas. A obra de Stephenie Meyer é a primeira parte de uma série de livros que já tem promissoramente sua continuação aprovada na sua semana de estréia nos States, tamanho o sucesso.

Em Crépúsculo somos apresentados a Bella Swan, uma adolescente reclusa que se muda para Forks, uma cidade no interior de Washington. Lá ela tenta miseravelmente se integrar ao seu segundo ano do High School quando conhece Edward Cullen. Edward é também muito solitário, de aparência e hábitos peculiares e só anda junto a sua família, os Cullen. Não é até um dia em que Bella descobre a verdadeira natureza Edward enquanto ele salva a vida “empurrando” um carro, que eles realmente se descobrem e passam a se envolver romaticamente. No que Bella entende que Edward é na verdade um vampiro com mais de 100 anos de idade, o seu envolvimento começa a ter consequências nefastas para ambos que teram de enfrentar em seus dois mundos as dificuldades para se manterem juntos.
Pode falar: “ooouuuunnn”. Realmente, é um filme com romance de mais e sobrenatural de menos, mas exatamente por isso foge da forçação de barra paranormal de sempre e dá um toque mais realístico a história. A diretora Catherine Hardwicke fez um trabalho primoroso em vários sentidos, desde a ambientação até a escolha das músicas. Tudo ficou poeticamente mais perfeito do que o possível para uma história tão simples de romance adolescente. Kristen Stewart é minha tetéia do coração. Esse jeitinho dela meio tom boy é ao mesmo tempo estranho mas singularmente atraente. Mesmo com seus recentes problemas com drogas, tá tudo nos conformes no filme. A surpresa da vez ficou por conta de Robert Pattinson que evoluiu incrivelmente desde seu pequeno papel como Cédrico em Harry Potter. Ele passa a todo momento o que está sentindo mesmo com olhares e gestos sutis. Um show de atuação realmente. Surpreendente de várias formas. Os outros atores menos conhecidos deram um background legal para a série, tanto a família Cullen quanto o bandidão James interpretado por Cam Gigandet. A novatíssima Ashley Greene é minha nova favorita e com certeza vai figurar bem alto no meu ranking pessoal de gostosas. Extra “nhui” (by Judão).

O que dizer do filme como um todo? Romance clássico adolescente. Impedimento amoroso. Sofrimento dos personagens pelo impedimento. Universo High School. Mas tudo fica meio diluído pelo contexto sobrenatural. Bella e Edward são contradições ambulantes. Ela uma reclusa que quer se aproximar e ele um “predador” que quer salvar uma possível presa. Os personagens em si são todos cativantes, do pai de Bella aos Cullen. Aliás, a família vamírica mais simpática já vista nas telonas em muito tempo. Dá vontade de fazer parte mesmo. Quanto as poucas cenas de ação foram no mínimo vibrantes. Tanto o jogo de baseball em meio aos trovões quanto as batalhas finais foram apoteóticas mesmo sem os grandes efeitos e computadores de Hollywood. Aliás, ficou surpreendente como um filme tão mítico e sobrenatural teve tão pouca computação gráfica.

Quem leu os livros falou que vários momentos retratados apenas com olhares e pás.

Fonte: http://www.zerooitocentos.org/crepusculo-critica/ 

O Cineclube Kupaiwana, assim como os demais cineclubes do Brasil,  é uma associação sem fins lucrativos que estimula os seus membros a ver, discutir e refletir sobre o cinema.

A clasificação do filme é a para o público a partir dos 14 anos.


Maiores informações: (83) 9129-2692, ou pelo e-mail ajacarte@yahoo.com.br 

Nenhum comentário:

Postar um comentário