sábado, 9 de fevereiro de 2013

CAMINHOS DA FÉ - TRILHA DE SÃO FRANCISCO DAS CHAGAS - Canindé/CE



Conheça Canindé/CE
Localizado a uma distância de 571 Km de Natal/RN, o município de Canindé/CE esta inserido na Mesorregião do Norte Cearense a uma altura de 118 metros em relação ao nível do mar. O clima da região é classificado como tropical quente e semi-árido, com temperatura na média de 24ºC.


As principais atividades econômicas de Canindé são a agricultura, pecuária, piscicultura e indústria. Porém, o Turismo Religioso é o principal carro chefe da economia local, que atrai milhares de romeiros todos os anos.


Segundo o site Férias.tur.br, o nome da cidade vem de "Kanindés", palavra indígena que designava uma tribo de índios missionados e que primitivamente habitam as margens dos rios Banabuiú e Quixeramobim.  A palavra significa, ainda, uma espécie de arara de plumagem amarela, chamada GUACAMAIO. "O nome aplica-se a uma psitacídeo (Ara araraúna) e assim era apelidada uma grande tribode tarairius, que vivia na região central do Ceará pelo sertões de Quixadá, Canindé e Alto Banabuiu, Quixeramobim. Etimologicamente, existem três versões para o nome, são eles: "teu seio", "tua cama" e "teu manto". 


O portal ainda relata que as origens de Canindé estão subscritas na prefiguração indígena – Índios Canindés e Jenipapos – nativos ocupantes de vastas porções territoriais. Em pacífica convivência, tem-se por colonizador branco Francisco Xavier de Medeiros, fazendeiro de grandes posses e detentor de terras situadas nas margens do rio Canindé. Esse patriarcado misto, que daria ao reduto foros de povoação, data do ano de 1775, assinalado inicialmente pela construção de uma capela cujo patrimônio guarda a chancela desse benemérito fazendeiro e cujo orago dedicou-se a São Francisco.

A elevação do povoado à categoria de Vila tem como instrumento de apoio o Decreto Provincial nº 340, de 29 de julho de 1846, com referência especial à denominação de São Francisco das Chagas de Canindé. Elevado o Distrito à categoria de Município, segundo Lei nº 1.221, de 23 de agosto de 1914, alterou-se a denominação para o nome atual.

Em seus primados de cultura religiosa, notadamente com relação a milagres e suas consequentes romarias, Canindé detém a preeminência regional, tendo como vetor de espiritualidade o santo padroeiro. A primitiva capela, iniciada pelo fazendeiro Francisco Xavier de Medeiros, sofreu interrupção no curso de suas obras, havendo como fator impeditivo a seca de 1792. Reiniciados os trabalhos em 1795, já em busca de sua evolução     em termos de Igreja-Matriz, foram concluídos em 1796. No tocante ao patrimônio eclesiástico, além do que contara com relação à primitiva capela, destacam-se a Fazenda Santa Rosa, doada pelo Capitão Antônio Alves Bezerra (1787) e o Sítio Araticum, igualmente doado pelo fazendeiro Francisco do Rego Barros (1801).


GEOTRILHAS/RN EM CANINDÉ/CE



A viagem com destino a Canindé/CE foi planejada para durar três dias, sendo compreendida no período de 09 a 11 de novembro. Partindo de Natal/RN nas primeiras horas do dia, o grupo composto por sete geotrilheiros seguiram pela BR-304 até atingir a cidade de Arati/CE, quando por um erro de navegação o comboio tomou a direção contraria para Russas/CE. O erro custou um desvio de aproximadamente 170 Km da rota inicial, até chegar a Quixadá/CE e retornar o caminhos certo. O que compensou o erro foi a paisagem próxima de Quixadá/CE, que nos rendeu ótimas fotos e um almoço já bem avançado da hora habitual. A estrada também contribuía para tentarmos ganhar tempo. Porém, ao chegarmos na BR-020 o asfalto não colaborou conosco, fazendo com que atrasássemos mais um pouco. Finalmente, por volta das 19h:00 avistamos a estátua de São Francisco das Chagas. O que denunciava a proximidade de Canindé. 

Às 19h:30 entramos na cidade de Canindé, onde foi possível, mesmo com o avanço da hora, percebemos como o Turismo Religioso movimenta a cidade, com suas bancas e comércios. Faltando 15 minutos para as 20h:00, chegamos ao Hotel Jardim Canindé, escolhido para ser o local de nossa hospedagem. Após uma viagem cansativa nada melhor que um bom banho para recarregara as energias necessárias para um breve reconhecimento na cidade para buscar um bom lugar para comer. Caminhamos pelo largo da Basílica de São Francisco das Chagas, onde as luzes davam um lindo efeito na construção. Seguimos por uma rua estreia que nos chamou a atenção devido a grande concentração de bancas que comercializavam artigos religiosos. O movimento ainda era bastante intenso devido a rua também concentrar inúmeras pousadas destinadas aos romeiros. Caminhando mais um pouco chegamos ao Restaurante Aquarius que seria o lugar escolhido para o jantar. Ao som da boa música do cantor Carlos Alberto, que nos recepcionou dedicando uma música, o grupo tomou alguns drinks antes do jantar e jogou conversa fora a respeito da viagem. Às 23h:00 o grupo retornou ao hotel para encerrar a o primeiro dia em Canindé.


Na manhã seguinte, após o café da manhã no hotel, recebemos a nossa guia Karini. Uma jovem estagiária do hotel com bastante comprometimento e dedicação no que faz. Acima de tudo, uma conhecedora assídua da história de Canindé. Após as devidas apresentações, Karine conduziu o grupo pelas num city tour pelas ruas de Canindé. A nossa primeira parada foi o Hospital São Francisco de Canindé, que funciona como uma santa casa de misericórdia. Através de donativos. Em, seguida fomos até o zoológico local, que possui vários animais da fauna nordestina, como também de outros lugares, como urso e leão que foram resgatados de circos que fecharam as portas. Seguindo, o nosso city tour, uma coisa nos chamou a atenção. Muitas pessoas estavam vestidas com a famosa batina de São Francisco, demonstrando a fé no santo. Cantorias vinham de todos os lados, sejam elas acompanhadas ou não de instrumentos musicais. 

Chegamos finalmente ao Museu de São Francisco, onde conta um pouco da história de Canindé, como também da religiosidade do lugar, com os mais chamativos votos em busca de uma graça. Logo em seguida, caminhamos para a grande Praça dos Romeiros. Local destinados para celebrados de missas, que facilmente pode receber mais de 20 mil pessoas. Da praça seguimos para visitar as igrejas de Canindé. 

A primeira foi a Igreja do Cristo Rei, localizada num dos pontos mais altos da cidade. Na igreja foi possível observamos a beleza arquitetônica do lugar, bem como, realizarmos nossas primeiras orações. Terminada a visita, seguimos na direção contrária da Via Sacra, passando pelos conventos de  Santo Antônio até chegar na Igreja das Dores, onde mais uma vez o grupo realizou algumas orações. Durante esse trajeto, foi possível encontramos algumas pessoas pagando suas promessas. 

Seguimos adiante até Basílica de São Francisco São Francisco das Chagas. Uma imensa construção que reúne um grande complexo religioso ao seu redor. A beleza interna da basílica era composta de varias obras sagras caracterizada pelo perfeccionismo dos detalhes. O altar era bastante disputado pelos romeiros que entravam na basílica. Depois de muita espera, o grupo conseguiu tirar uma foto no lugar. Após a fotografia, seguimos para o museu dos milagres, onde os romeiros deixam objetos relacionados aos seus votos. São inúmeras miniaturas de casas, partes do corpo humano, roupas em geral e principalmente as batinas de São Francisco. Mais adentro, varias cabines de confecionatos tinham imensas filas em suas portas. A loja dentro do museu comercializava vários objetos ligados a religiosidade. 

Seguimos para a Gruta da Praça da Santa Missa, de onde brotava água benta. No local ainda existe um lugar destinado para acender velas e um imensa praça que comporta os romeiros que ficam de fora da basílica nos horários das missas. Já passavam das 13h:00, quando o grupo resolveu almoçar. Na ocasião, os geotrilheiros comeram nos típicos restaurantes dos romeiros. Lugares simples que ficam por trás da basílica, mas que oferecem uma boa comida no estilo “prato feito”. Terminado o almoço, o grupo fez algumas compras antes de seguir para ao hotel, de onde partimos para a comunidade de Madeira Cortada. Na companhia da guia Karine e do proprietário do Hotel Jardim, seguimos para um sítio na Zona Rural. Local que em breve será um refugio para os clientes do Hotel Jardim que desejarem uma hospedagem numa típica pousada rural. 

Terminada a visita técnica, seguimos novamente para a cidade, onde fomos conhecer a estatua de 30 metros de São Francisco das Chagas. Local de visita obrigatória para aqueles que visitam Canindé. Retornando para o hotel, seguimos duas horas de pois para o Restaurante Aquarius, para avaliação da visita ao município e para saborear uma gostosa refeição ao som de Carlos Alberto, que no final nos brindou com um CD. Terminado o jantar, regressamos para o hotel, onde encerramos o último dia da visita a Canindé.


Ao amanhecer, alguns geotrilheiros foram para a primeira missa dominical do santuário, voltado logo em seguida para o café da manhã e arrumação das malas, pois chegava a hora de retornar para o Rio Grande do Norte. Nos despedimos da guia Karine e ouvindo Carlos Alberto no som do carro, seguimos com destino a Fortaleza/CE para então seguir pela CE-040 até Tibau/RN, onde o grupo realizou o almoço e seguindo logo após com destino a Natal/RN.



Raio-X
 
Nível de Dificuldade –Leve

Localização da Trilha – Ótima

Disponibilidade de Socorro Médico – Ótimo

Apoio Logístico – Ótimo


Recomendações necessárias para trilhar


- Usar roupas leves, confortáveis e fechadas;

- Utilizar bastante protetor solar;

- Levar cantil com bastante água;

- Utilizar chapéu ou boné para se proteger do sol;

- Não escrever, desenhar ou danificar as árvores;

- Guadar seu lixo e obedecer às instruções do condutor.


Onde Comer 


Aquarius Chopperia & Sushi Bar.


Onde Ficar


Hotel Jardim Canindé

Fone: (85) 3343-0682 


Contatos para realização de trilha


Karine Coelho

Fone: (85) 9787-8325 / 87164-4058

Realização 



Nenhum comentário:

Postar um comentário