sexta-feira, 15 de julho de 2011

CINE CLUBE KUPAIWA DE BANANEIRAS/PB APRESENTA O FILME KARATE KID

A Associação de Jovens da Arte e Cultura do município de Bananeiras/PB (AJAC), convida todos os moradores e visitantes da cidade, para se fazerem presentes neste próximo sábado dia 16 de julho, para mais uma exibição de um filme no Cineclube Kupaiwana, localizado no Espaço Cultural Prof. Oscar de Castro (ambiente de mais de 1.700 metros quadrados de área construída, com teatro, salão de eventos, biblioteca, oficinas de artesanato galeria de artes.

O filme em cartaz deste sábado será o a continuação do clássico filme de luta dos anos 80 e 90. Karate Kid volta com uma nova roupagem, tendo Jack Chan em substituição de Pat Morita: O Sr. Miyagi.

SINOPSE

Dre Parker (Jaden Smith), um garoto de 12 anos que poderia ser o mais popular de Detroit, mas a carreira de sua mãe acaba os levando para a China. Imediatamente, Dre se apaixona pela sua colega de classe Mei Yin, mas as diferenças culturais tornam essa amizade impossível. Pior ainda, os sentimentos de Dre fazem com que o brigão da sala e prodígio do kung fu Cheng torne-se seu inimigo. Na terra do Kung Fu, Dre conhece apenas um pouco de karate e Cheng irá mostrar ao "Karate Kid" que seus conhecimentos não valem nada. Sem amigos numa nova cidade, Dre não tem a quem recorrer exceto o zelador do seu prédio Mr. Han (Jackie Chan), que é secretamente um mestre do kung fu. À medida que Han ensina Dre que o kung fu é muito mais que socos e habilidade, mas sim maturidade e calma, Dre percebe que encarar os brigões da turma será a aventura de uma vida.

CRÍTICA

Sabe quando você vai tirar um xerox e algumas partes ficam ilegíveis? Metaforicamente, foi isso o que aconteceu com o roteiro de Karate Kid (2010). Os produtores pegaram o original de 1984, estrelado por Ralph Macchio e Pat Morita, e substituíram os trechos mais apagadas por novos. Assim, mais uma vez vemos um menino seguindo a mãe para uma grande mudança em suas vidas. Chegando lá, sofre para se adaptar e é perseguido por valentões, até encontrar um mestre de artes marciais que vai salvar o seu pescoço e ensiná-lo a lutar - desta vez em um campeonato, não mais nas ruas. Ah e ele conquista o coração da menina por quem se apaixona logo no começo.

As novidades são a troca do descendente de italianos Daniel Larusso (Macchio) pelo afro-descendente Dre Parker (Jaden Smith), que em vez de se mudar da costa leste para a oeste, agora tem que atravessar o Pacífico e viver na China; a substituição do mestre japonês Sr. Miyagi (Morita) pelo chinês Sr. Han (Jackie Chan); e, claro, a maior de todas as trocas, a do karatê que dava o título ao original pelo kung-fu, o que gerou grande comoção entre os fãs oitentistas.

As polêmicas, porém, vão sendo abafadas pelas homenagens que a refilmagem faz ao seu original. Da mosca no hashi (o "pauzinho") ao treinamento não convencional, a nova versão soube como satisfazer os fãs antigos ao mesmo tempo que apresenta a franquia a uma nova audiência. Outro acerto do roteiro é não tentar repetir o Sr. Miyagi. O Sr. Han criado por Jackie Chan é um novo personagem e um dos grandes trunfos desta nova versão, pois carrega uma dramaticidade que o personagem de Pat Morita só desenvolveu no segundo filme, quando teve de voltar ao Japão.

Ainda longe da faixa preta em carisma de Jackie Chan ou Will Smith, de quem é filho, Jaden Smith se esforça, sua as tranças e dá seus pulos. Se lhe falta algo, não é determinação. As cenas de seu treinamento nos cenários da China-para-turista-ver podem deixar os mais sedentários cansados no cinema só de olhar. Porém, esta obrigação de mostrar os cartões postais do país e o envolvimento de Dre com a menina Meiying (Wenwen Han) acabam alongando o filme mais do que deveria. Afinal, ainda temos o campeonato.

Quando chega a hora de mostrar que o treinamento de Dre com o Sr. Han não foi em vão é que o filme se perde de vez. A necessidade de atualizar a história e deixá-la atraente ao público tween que se deixou levar pelo clipe da música em que Jaden faz dueto com Justin Bieber, cria mais piruetas e efeitos do que boas lutas. E mesmo havendo um golpe final extremamente plástico, ele não tem a mesma força que o chute da garça. Um dos motivos é que não houve uma preparação do golpe. No original, o movimento havia sido treinado à exaustão por Daniel-San, que, mesmo assim, nunca havia conseguido executá-lo com a precisão necessária até a final.

Karatê Kid, que na China foi rebatizado como Kung Fu Kid e no Japão virou Best Kid, acerta vários de seus golpes, mas peca na hora de acabar com a luta, deixando a polêmica do nome logo esquecida. Como cópia, se sai melhor do que o esperado, mas é certamente mais apagado que o original.

Por Marcelo Forlani

TRAILLER
O Cineclube Kupaiwana, assim como os demais cineclubes do Brasil, é uma associação sem fins lucrativos que estimula os seus membros a ver, discutir e refletir sobre o cinema.

A clasificação do filme é para maiores de 10 Anos

Maiores informações: (83) 9129-2692, ou pelo e-mail ajacarte@yahoo.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário